Quênia | Ao berço dos safáris

05 NOV - 14 NOV 2019


ÚLTIMAS VAGAS

Uma expedição fotográfica ao país pioneiro das jornadas selvagens

Quando o sol desponta no horizonte do Quênia e seus primeiros raios douram as acácias, uma explosão de vida faz pulsar as savanas. Os sons misteriosos na escuridão da noite do continente africano dão lugar ao estardalhaço das aves despertando. E, ainda que nasceres e pores do sol soem como clichês na fotografia, quem resiste àquela luz? Os arbustos realçados pelo ouro da manhã deixam de ser esconderijo dos animais para se tornarem cenários de flagrantes dos mais fotogênicos animais da África. Começa mais um simples dia de safári.

Primeiro país do mundo a realizar safáris, no século 19, o Quênia se tornou referência, assim como a vizinha Tanzânia, neste tipo de exploração que busca se aproximar de animais raros. A própria palavra safári é de origem suahíli, língua falada por estes dois países da África Oriental, e significa jornada. É em busca dos instantes mágicos de luz certa neste templo da vida selvagem que fotógrafos de natureza do mundo todo viajam ao Quênia e fazem questão de estar em campo, com câmeras e teleobjetivas na mão, antes do sol alvorecer.

Embora o desejo coletivo de quem desembarca em Nairóbi e siga para as áreas remotas seja se deparar com os grandes leões, elefantes, leopardos, rinocerontes e búfalos – os famosos Big Five –, a diversidade biológica do país instiga os caçadores de boas imagens a ambicionar espécies, horários e ambientes específicos. Quanto mais raro o tema, mais tocante a experiência.

Na Reserva Nacional de Samburu, preciosidade no norte do país, as savanas das planícies secas são embelezadas pela imponência de colinas como a Koitogorr e a Ololokwe, que ultrapassam os mil metros de altura. Espécies raríssimas como a zebra-de-grévy e a girafa-reticulada, encontradas essencialmente nessa região do Quênia e no sul da Etiópia, tornam-se seres mais que desejados por quem busca animais endêmicos em seu local de origem.

Samburu ostenta um ar de refúgio pouco visitado, pois está distante da divisa com a Tanzânia, que costuma receber mais viajantes. Quando um jipe se aproxima, por exemplo, de um ponto onde um leopardo se aboleta no alto de uma acácia, há grandes chances de que seja um dos poucos veículos no pedaço. Garantia de uma foto mais limpa e de uma experiência ainda mais única e personalizada, especialmente pela mentoria de fotógrafos experientes da One Lapse como Luciano Candisani, que já teve que agir rapidamente em várias situações do gênero e vai compartilhar seu know-how com outros entusiastas da fotografia.

O fato de estar fora do circuito mais turístico aumenta a qualidade também da interação com as comunidades do povo Samburu, que dá nome à região. Considerados patrimônio cultural do Quênia, os Samburu são tidos como os guardiões do lugar. Vestem roupas coloridas, vivem principalmente do pastoreio e moram em casas redondas em forma de iglus com paredes forradas de esterco de vaca. Quem tem a oportunidade de compartilhar uma refeição ou um momento festivo deles consegue uma maior intimidade para tentar retratos inusitados exclusivos ou situações do dia-a-dia dentro de suas casas humildes.

Rumo ao oeste do país, a paisagem dá lugar a grandes lagos como o do Parque Nacional Lago Nakuru, que fica dentro da cratera de um vulcão extinto. A fartura de água nessa reserva repleta de imensas acácias espinhentas atrai desde os procurados rinocerontes-brancos às elegantes águias-de-poupa com seus longos topetes. Mas são os flamingos rosados do Lago Bogoria, na reserva nacional homônima não longe dali, que encantam quem gosta de fotografar aves e de praticar, por exemplo, fotos em baixa velocidade. Babuínos também estão por toda parte da região, que se diferencia pela temperatura mais amena que a de outras áreas áridas da África. Paradas como a da cachoeira Thomson’s Fall, à beira da estrada, ajudam a aumentar esta sensação de frescor.

Os últimos dias concluem a jornada em grande estilo na Reserva Nacional Maasai Mara, habitada pela fotogênica etnia dos maasai, com seus trajes vermelhos e adereços coloridos. A reserva fica no limite com a Tanzânia e fica especialmente espetacular quando vista do alto de um balão, na primeira luz da manhã, programa opcional oferecido pela One Lapse. Outra extensão tentadora, por sinal, é a esticada até o Parque Nacional Amboseli, ideal para flagrar famílias de elefantes tendo o belo Monte Kilimanjaro ao fundo.

Mas é na Reserva Maasai Mara que parecem estar reunidos todos os bichos que nos acostumamos a ver nos documentários de vida selvagem. Entre eles os gnus, que passam de junho a novembro fazendo ali parte de sua mítica migração em busca de água e pasto – quase sempre ladeados por zebras e antílopes. As silhuetas deles fazem o deleite das lentes mais arrojadas e pacientes no outro momento épico dos safáris no Quênia: o pôr-do-sol, quando as savanas dão lugar a outros sons e luzes de fazer arrepiar.

Clique aqui e confira a Galeria completa de fotos

CONFIRA OS VALORES E CONDIÇÕES

Luciano Candisani

National Geographic

Se você aprecia a natureza e suas histórias, certamente será impactado por alguma foto produzida pelo olhar de Luciano Candisani. Uma de suas principais características do trabalho deste renomado fotógrafo, além de apurado rigor estético, é criar narrativas visuais e, com isso, oferecer uma importante informação documental a quem observa suas imagens.

Esse seu estilo, entre outras qualidades, como a determinação em busca da imagem ideal, rendeu alguns dos principais prêmios da fotografia no exterior e no Brasil, como o Wildlife Photographer of the Year, o Big Picture, o Prêmio Abril de Jornalismo, conquistado cinco vezes e, o prêmio de melhor fotógrafo de viagem pela revista Viagem e Turismo, este último concedido em 2017.

Além das premiações, várias de suas fotos retratando a biodiversidade foram publicadas nas páginas da conceituada revista National Geographic, tanto na edição brasileira como na americana, e entre outras versões pelo mundo afora. Algumas delas, inclusive, tornaram-se capas dessas publicações, alcançando grande prestígio internacional.

Candisani começou sua carreira fotografando expedições científicas no Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo – USP, onde cursou biologia. Sua primeira grande oportunidade profissional surgiu em 1996, quando foi convidado a integrar uma expedição de três meses para as ilhas Shetlands do Sul, na Antártica, com o objetivo de documentar a vida marinha sob o gelo. Logo após seu regresso a São Paulo publicou a sua primeira foto, a bela imagem de uma estrela marinha, registrada a 30 metros de profundidade, nas geladas águas da baía do Almirantado, próximo ao rochedo Napier, na Antártica, na capa da revista Globo Ciência (atualmente conhecida como Galileu).

Desde então, Candisani percorreu alguns dos lugares mais remotos do mundo com o objetivo de registrar imagens relacionadas à biodiversidade, à conservação ambiental e às populações tradicionais. Em 1998, passou sete meses a bordo do veleiro Aysoo em expedição à Patagônia e à Terra do Fogo. No Brasil, fotografou no Amazonas, nos Lençóis Maranhenses, no Atol das Rocas, em Fernando de Noronha, no Pantanal, entre tantas outras localidades. Também já esteve em diversos países da África e da Ásia sempre com o objetivo de criar impactantes narrativas visuais que, além da National Geographic, foram veiculadas em várias outras publicações, como Terra (já extinta), Superinteressante, Época, Veja, The Guardian, Geo, BBC Wildlife, entre outras.

O fotógrafo acredita que as imagens que faz pode ser uma importante ferramenta para despertar entre as pessoas a importância para a conservação de espécies e ambientes ameaçados e, em 2007, a relevância de seu trabalho para a fotografia e a conservação ambiental foi reconhecida com sua nomeação como membro da Internacional League of Conservation Photographers (ILCP), entidade que reúne alguns dos principais fotógrafos de natureza do mundo.

Candisani participou de inúmeras exposições individuais e coletivas em diversos países, foi ainda jurado em duas edições do prestigioso World Press Photo, em Amsterdã – o principal prêmio da fotografia do mundo – e também publicou alguns livros. Um deles, Pantanal, na Linha-d´Água, sob o selo da National Geographic, resultado de dois anos de viagens ao Pantanal, sendo que uma das imagens desse trabalho recebeu o primeiro prêmio em uma das categorias do conceituado Wildlife Photographer of the Year de 2012. E não para por aí, ele também pertence ao seleto coletivo “the photo society”, que reúne exclusivamente os fotógrafos da edição americana da National Geographic e, em março de 2018, estreará um filme sobre seu trabalho no National Geographic Chanel.

Todo esse conhecimento e experiência ele compartilha nas expedições fotográficas que lidera pela OneLapse, atuando como um catalisador e auxiliando os participantes a encontrarem seus próprios caminhos e a refletirem sobre os tipos de imagens que os emocionam e o que desejam registrar. Para isso, segundo o experiente fotógrafo, é importante que cada viajante leve um bom conhecimento do tema que será explorado na viagem, pois esse conhecimento será essencial para aguçar o entusiasmo e a motivação durante as expedições.

Clique aqui e saiba mais sobre o Fotógrafo.

DIA A DIA

LEGENDA

  Café da manhã incluído
  Almoço incluído
  Jantar incluído

DIA 1 | NAIRÓBI (INÍCIO DO ROTEIRO DE EXTENSÃO OPCIONAL DIA 01/11)

Chegada ao aeroporto internacional de Nairóbi, a capital do Quênia. Recepção e traslado ao hotel selecionado para check-in. Nairóbi é porta de entrada para os safáris no país e local de preparação antes de partirmos para a nossa aventura no continente africano. A cidade se desenvolveu muito na última década, tornando-se uma das maiores da África. Uma região de grandes contrastes, onde o mundo moderno foi absorvido rapidamente pela população. Suas ruas movimentadas estão repletas de mercados e lojinhas coloridas com artesanatos locais, um dos melhores lugares para se comprar souvenirs, por exemplo. Em horário a combinar, encontraremos com o fotógrafo Luciano Candisani para um briefing detalhado sobre a nossa expedição fotográfica.

DIA 2 | NAIRÓBI – PARQUE NACIONAL AMBOSELI

Pela manhã, sairemos já nos veículos 4×4 em direção ao Parque Nacional Amboseli com chegada ao lodge para o almoço. O Amboseli é uma reserva natural bastante simbólica e popular no Quênia, principalmente devido à sua proximidade com o imponente Monte Kilimanjaro, a maior montanha da África. Águas subterrâneas escoam das superfícies do Kilimanjaro bem no centro do parque, criando pântanos que atraem uma rica diversidade de animais selvagens e aves, proporcionando aos viajantes as condições ideais para observar e fotografar de perto as espécies. O parque é reconhecido como um dos melhores locais do continente para a observação de elefantes, que vivem livremente junto a outras espécies. Além dos elefantes, encontramos búfalos, girafas, leões, hipopótamos e muitos outros animais nas redondezas. Aproveitaremos o dia para reconhecimento e produção das primeiras imagens desse paraíso para os fotógrafos e amantes da vida selvagem.

DIAS 3 e 4 | PARQUE NACIONAL AMBOSELI

Dias dedicados ao safári no Amboseli explorando principalmente as saídas pela manhã e final de tarde, períodos com maior atividade dos animais e luz adequada para a fotografia. A programação será sempre definida pelo fotógrafo Luciano Candisani de acordo com as condições encontradas em cada um dos dias. A vegetação rasteira do Amboseli favorece a visualização dos animais e com sorte conseguiremos cenas clássicas do parque com o imponente Monte Kilimanjaro como pano de fundo. Além disso, os animais costumam relaxar na natureza bem próximos dos carros, tornando uma experiência cara a cara com a vida selvagem.

DIA 5 | PARQUE NACIONAL AMBOSELI – NAIRÓBI (FIM DA EXTENSÃO E INÍCIO DO ROTEIRO PRINCIPAL DIA 05/11)

Após o café da manhã, seguiremos de volta a capital Nairóbi com chegada prevista para o horário do almoço. Restante do dia livre até a chegada dos demais participantes e o encontro com o fotógrafo para um novo briefing focado no roteiro principal da nossa expedição fotográfica.

DIA 6 | NAIRÓBI – SAMBURU

Pela manhã, saída nos carros 4×4 em direção a Reserva Samburu, no norte do país. Uma das melhores reservas da região, a área abriga espécies não encontradas em outras partes do Quênia e proporciona uma experiência mais exclusiva devido ao menor número de turistas. Chegada para o almoço com tempo livre até o nosso primeiro safári aproveitando a luz do fim do dia.

DIA 7 | RESERVA SAMBURU

Dia dedicado a duas saídas de safári, uma pela manhã e outra a tarde. Além de grandes manadas de elefantes, a Reserva Samburu é lar de antílopes raros. Mas o que faz a experiência aqui se tornar ainda mais completa é, sem dúvida, a chance de conhecer e fotografar as tribos que dão nome a reserva, uma das mais primitivas e fotogênicas de toda a África. Os Samburu pertencem ao mesmo grupo dos Maasai, mas a causa da separação ainda é incerta. Não há dúvida de que a língua é a mesma e os costumes são similares. As oportunidades fotográficas na tribo são únicas, especialmente os retratos destacando adornos como colares e as argolas de marfim que os guerreiros usam nas orelhas.

DIA 8 | RESERVA SAMBURU – PARQUE NACIONAL LAKE NAKURU

Pela manhã, saída em direção ao Lago Nakuru, habitat de um grande número de espécies de mamíferos, como os ameaçados rinocerontes brancos e negros, leões, leopardos, zebras, entre outros. A região do Vale Rift também é famosa por ser um grande santuário de aves. O lago é em sua superfície alcalino e quando as condições climáticas estão adequadas, a abundância de algas no interior do lago atrai uma enorme quantidade de flamingos, além de pelicanos e outras centenas de espécies. O fotógrafo escolherá a melhor locação de acordo com as condições do dia.

DIA 9 | LAKE NAKURU – LAKE BOGORIA – LAKE NAKURU

Hoje dedicaremos o dia a explorar a região do Lago Bogoria, onde atualmente vive a maior quantidade de flamingos no Quênia. Na área do lago costuma-se encontrar duas espécies: o Greater Flamingo, a mais comum e também encontrada fora da África, e o Lesser Flamingo, espécie de tamanho menor e mais brilhante. A quantidade dessas aves encontrada corresponde diretamente ao volume de algas presente no lago, e esse é o principal motivo que faz com que os flamingos mudem de local de tempos em tempos. Estaremos sempre atentos a outras oportunidades de fotografia de acordo com a grande variedade da fauna local.

DIA 10 | LAKE NAKURU – PARQUE NACIONAL MASAI MARA

Seguiremos hoje rumo ao Parque Nacional Masai Mara, o mais famoso e farto em vida selvagem. Uma área total de 1.510 km² na divisa com a Tanzânia e quase nenhuma fronteira natural com o país vizinho. O Masai Mara e o Serengeti (Tanzânia) possuem o mesmo ecossistema, o que permite a livre circulação de animais entre ambas regiões. Juntos eles abrigam uma imensa variedade de espécies numa impressionante quantidade. O parque é coberto por vegetação rasteira, bosques e moitas, em particular, formados pelas icônicas árvores acácias. Hoje já teremos o nosso primeiro game drive, como são chamadas as saídas de safári na África.

DIAS 11 e 12 | MASAI MARA

Dias dedicados ao safári pelo parque Masai Mara, terra de paisagens deslumbrantes e abundante vida selvagem. Vamos em busca de fotografar leões, leopardos, chitas, elefantes, girafas, hipopótamos, crocodilos, gnus e zebras. Mas assim como na Reserva Samburu, teremos também a oportunidade de conhecer o povo que deu nome ao parque nacional, os Maasai. Um dos principais objetivos na região também será conhecer a verdadeira cultura dos Maasai e seus bravos guerreiros vestidos de vermelho. A vida desta tribo gira em torno do gado, o qual representa sua riqueza, e devido a atenção necessária com a criação, eles são nômades e vivem integrados a todo esse mundo animal.

DIA 13 | MASAI MARA – NAIRÓBI

Teremos a oportunidade de realizar um sobrevoo de balão opcional, observando a imensidão natural da região ao nascer do sol. Um verdadeiro safári no ar. Com um pouco de sorte, poderemos avistar a vida selvagem sob um novo ângulo, numa experiência inesquecível. Retorno ao lodge e saída para pegarmos um voo interno de retorno a capital Nairóbi. Chegada prevista na hora do almoço com o restante do dia livre para compras ou outras atividades individuais.

DIA 14 | NAIRÓBI – EMBARQUE

Dia livre até o check-out. De acordo com o horário do voo, traslado ao aeroporto, de onde nos despediremos com ótimas recordações.

FIM DOS SERVIÇOS

GALERIA DE FOTOS

Fotos: João Marcos Rosa. Todos os direitos reservados.

MAIS INFORMAÇÕES

   HOSPEDAGEM

NAIRÓBI: The Tamarind Hotel
RESERVA SAMBURU: Ashnil Samburu Camp
PARQUE NACIONAL LAGO NAKURU: Sarova Lionhill Camp
PARQUE NACIONAL MASAI MARA: Ashnil Mara Camp
PARQUE NACIONAL AMBOSELI (EXTENSÃO OPCIONAL): OL Tukai Lodge

INCLUI

  • 09 noites de hospedagem
  • Café da manhã em Nairóbi e pensão completa durante o safári
  • Traslados in/out privativos ao grupo em Nairóbi de acordo com os horários de voos sugeridos pela OneLapse no momento da confirmação da viagem
  • Transporte privativo ao grupo para todas as locações descritas no roteiro
  • Acompanhamento de motorista/guia local falando inglês, além de coordenador operacional da OneLapse falando português durante todo o roteiro (este último para grupo a partir de 8 inscritos e restrito ao roteiro principal da expedição)
  • Acompanhamento do fotógrafo Luciano Candisani em todas as locações e orientações fotográficas conforme objetivo e necessidade de cada participante
  • Entradas para todos os locais visitados
  • Seguro viagem April – Max 60 Mundo

NÃO INCLUI

  • Passagens aéreas internacionais e taxas de embarque (consulte-nos para cotação e emissão dos voos)
  • Early check-in e Late check-out
  • Equipamento de fotografia
  • Almoço e jantar em Nairóbi e bebidas durante as refeições incluídas
  • Passeio de balão no Masai Mara (USD425,00 por pessoa e pago no local)
  • Visto para entrada no Quênia (cerca de USD50,00 e emitido na chegada ao país)
  • Despesas pessoais e gorjetas

OBSERVAÇÕES

  • Esta viagem é destinada a todos os entusiastas da fotografia, de iniciantes a profissionais, não havendo pré-requisito para inscrição, como nível de conhecimento ou equipamento fotográfico. As orientações do fotógrafo serão feitas de acordo com o objetivo de cada participante;
  • Os preços estão em dólares americanos (US$) e por pessoa. A conversão para o Real levará em consideração o câmbio turismo no dia do pagamento, conforme cotação do Valor Econômico;
  • Para esta viagem brasileiros necessitam de passaporte com validade mínima de 6 meses a partir da chegada ao Quênia, certificado internacional de vacinação contra a febre amarela e emissão de visto que pode ser emitido na imigração do país a um custo médio de USD50,00;
  • O descritivo do roteiro é uma ideia das atividades que buscaremos fazer durante a expedição e que podem ser alteradas de acordo com as condições climáticas, recomendações do fotógrafo responsável, guia local ou motivos de força maior.

EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS

  • Câmera fotográfica
  • Cartões de memória
  • Lentes de 17mm a 400mm
  • Tripé
  • Cabo disparador

* Em caso de dúvidas, clique aqui e veja nosso FAQ.

QUER SE INSCREVER OU TEM DÚVIDAS?

PARTE TERRESTRE – VALORES POR PESSOA

POR PESSOA EM ACOMODAÇÃO DUPLA:

US$ 5.290,00*

SUPLEMENTO VOLUNTÁRIO PARA QUARTO INDIVIDUAL US$ 700,00

SINAL EM DEPÓSITO NO MOMENTO DA INSCRIÇÃO: R$ 2.500,00

DESCONTO AOS 6 (SEIS) PRIMEIROS INSCRITOS: R$ 700,00

FORMAS DE PAGAMENTO:
  • À vista em depósito/boleto com 5% de desconto
  • 30% de entrada + Saldo em até 4x sem juros no cartão de crédito Visa/Master

 

* Caso o grupo seja fechado e não haja um participante para dividir o quarto duplo, deverá ser pago um suplemento involuntário no valor de US$375,00. Este valor será cobrado a vista em até 72h antes do início dos serviços.

** Esta viagem exige um número mínimo de 9 participantes para que o grupo seja confirmado. O sinal não é reembolsável em caso de desistência da viagem e não pode ser transferido para outro destino. A confirmação ou não da saída será feita no dia 05/09/2019 ou antes, caso já tenhamos atingido o número mínimo de participantes. Confirmando o grupo, o valor do sinal será abatido da entrada e caso o mesmo não seja confirmado, o valor será integralmente devolvido.

 

VOOS INTERNCIONAIS:

Chegada a Nairóbi no dia 5 de novembro para check-in a partir das 14h com embarque de retorno no dia 14 de novembro. Consulte-nos para a cotação e emissão das passagens aéreas.

EXTENSÃO OPCIONAL AO PARQUE NACIONAL AMBOSELI (01 a 05/11)

POR PESSOA EM ACOMODAÇÃO DUPLA:

US$ 1.080,00*

SUPLEMENTO VOLUNTÁRIO PARA QUARTO INDIVIDUAL: US$ 300,00**

 

* O valor inclui 4 noites de hospedagem com café da manhã em Nairóbi e pensão completa no Parque Nacional Amboseli, traslados conforme voos selecionados pela OneLapse no momento da confirmação da saída, bem como entradas, safáris de acordo com a programação e acompanhamento do fotógrafo Luciano Candisani.
** Caso o grupo seja fechado e não haja um participante para dividir a acomodação, deverá ser pago um suplemento involuntário no valor de US$150,00. Este valor deverá ser pago a vista 72h antes do início dos serviços.

 

VOOS INTERNCIONAIS:

Chegada a Nairóbi no dia 1 de novembro para check-in a partir das 14h com embarque de retorno no dia 14 de novembro. Consulte-nos para a cotação e emissão das passagens aéreas.