Patagônia | Vida Selvagem e Paisagens

20 ABR - 28 ABR 2019


INSCRIÇÕES ABERTAS

OS PUMAS DA PATAGÔNIA

No extremo sul das Américas erguem-se algumas das paisagens mais impressionantes da Terra. São os domínios dos Pumas. Tenho uma ligação especial com essa região de grandes espaços naturais: cordilheiras colossais mergulhadas no mar, fiordes, glaciares, lagos e vastas planícies. Fiz uma jornada de um ano por essas paisagens icônicas, no início da minha carreira, nos anos noventa. Na época, tinha um trabalho com uma combinação inusitada de responsabilidades: era marinheiro, mergulhador e fotógrafo a bordo do veleiro Aysso comandado por Vilfredo Schurmann em uma viagem que seguia a rota da circunavegação de Fernão de Magalhães. Foi uma experiência decisiva na minha formação e uma introdução à essência da Patagônia. Navegamos em lugares ondem nenhum outro meio de transporte podia chegar. E foi por canais estreitos que chegamos ao rio Serrano e, por ele, em barcos menores, subimos até as terras protegidas nos limites do Parque Nacional Torres del Paine. Fomos atrás das montanhas e de um sonho de todos a bordo: o encontro com o maior felino daquelas paragens, o Puma.

Poucos animais têm tantos nomes populares: puma, suçuarana, leão da montanha, cougar, leão baio, onça parda. Sua ampla distribuição geográfica – das Montanhas Rochosas, na América do Norte, à Patagônia, na América do Sul – explica a profusão de denominações. A espécie, porém, é a mesma, com poucas modificações de acordo com o ambiente. Na Patagônia, onde faze frio e a alimentação é abundante, eles são grandes, fortes e mais peludos. Na Mata Atlântica, menores. Mas em todos os seus ambientes o comportamento elusivo da espécie é o mesmo: são arredios e de difícil visualização. Os raros encontros costuma ser efêmeros. Foi assim naquela minha primeira tentativa. Depois de buscas intensas, voltamos para o veleiro sem ter visto Puma algum, como era praxe naqueles tempos.

Ao voltar para ao Torres del Paine, em maio de 2018, encontrei uma situação muito diferente. Em uma semana tivemos inúmeros encontros. Em um deles ficamos a dez metros de um Puma durante uma hora. Foi melhor do que os melhores sonhos daqueles primeiros tempos. Emocionante.

Acontece que nos últimos anos os Pumas se habituaram à presença dos visitantes no parque e passaram a não mais gastar energia para fugir ou se esconder diante dos encontros. Hoje, uma rede de guias especializados em localizar os felinos nas montanhas atua no parque. Isso movimenta um próspero turismo de observação que tem sido importante para conter o problema da caça dos pumas que eventualmente entram nas fazendas vizinhas atrás de carneiros. Na lógica da economia tradicional os Pumas, atualmente, valem muito mais vivos, apesar do eventual prejuízo que possam causar aos fazendeiros.

Quando vi a face do Puma preenchendo totalmente o visor da minha câmera fui tomado pela boa sensação que as histórias positivas trazem. Afinal, no lindo sul do Chile, a relação do homem com a natureza tinha mudado para melhor desde a minha primeira vista. Aquele Puma dez metros a nossa frente, dormindo sossegado ao sol, deixava isso evidente. Nunca vou deixar de explorar essas terras austrais. Esse roteiro foi inteiramente montado de acordo com as minhas experiências anteriores na região. A viagem promete.

 

Luciano Candisani

 

Clique aqui e confira a Galeria completa de fotos

CONFIRA OS VALORES E CONDIÇÕES

Luciano Candisani

National Geographic

Se você aprecia a natureza e suas histórias, certamente será impactado por alguma foto produzida pelo olhar de Luciano Candisani. Uma de suas principais características do trabalho deste renomado fotógrafo, além de apurado rigor estético, é criar narrativas visuais e, com isso, oferecer uma importante informação documental a quem observa suas imagens.

Esse seu estilo, entre outras qualidades, como a determinação em busca da imagem ideal, rendeu alguns dos principais prêmios da fotografia no exterior e no Brasil, como o Wildlife Photographer of the Year, o Big Picture, o Prêmio Abril de Jornalismo, conquistado cinco vezes e, o prêmio de melhor fotógrafo de viagem pela revista Viagem e Turismo, este último concedido em 2017.

Além das premiações, várias de suas fotos retratando a biodiversidade foram publicadas nas páginas da conceituada revista National Geographic, tanto na edição brasileira como na americana, e entre outras versões pelo mundo afora. Algumas delas, inclusive, tornaram-se capas dessas publicações, alcançando grande prestígio internacional.

Candisani começou sua carreira fotografando expedições científicas no Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo – USP, onde cursou biologia. Sua primeira grande oportunidade profissional surgiu em 1996, quando foi convidado a integrar uma expedição de três meses para as ilhas Shetlands do Sul, na Antártica, com o objetivo de documentar a vida marinha sob o gelo. Logo após seu regresso a São Paulo publicou a sua primeira foto, a bela imagem de uma estrela marinha, registrada a 30 metros de profundidade, nas geladas águas da baía do Almirantado, próximo ao rochedo Napier, na Antártica, na capa da revista Globo Ciência (atualmente conhecida como Galileu).

Desde então, Candisani percorreu alguns dos lugares mais remotos do mundo com o objetivo de registrar imagens relacionadas à biodiversidade, à conservação ambiental e às populações tradicionais. Em 1998, passou sete meses a bordo do veleiro Aysoo em expedição à Patagônia e à Terra do Fogo. No Brasil, fotografou no Amazonas, nos Lençóis Maranhenses, no Atol das Rocas, em Fernando de Noronha, no Pantanal, entre tantas outras localidades. Também já esteve em diversos países da África e da Ásia sempre com o objetivo de criar impactantes narrativas visuais que, além da National Geographic, foram veiculadas em várias outras publicações, como Terra (já extinta), Superinteressante, Época, Veja, The Guardian, Geo, BBC Wildlife, entre outras.

O fotógrafo acredita que as imagens que faz pode ser uma importante ferramenta para despertar entre as pessoas a importância para a conservação de espécies e ambientes ameaçados e, em 2007, a relevância de seu trabalho para a fotografia e a conservação ambiental foi reconhecida com sua nomeação como membro da Internacional League of Conservation Photographers (ILCP), entidade que reúne alguns dos principais fotógrafos de natureza do mundo.

Candisani participou de inúmeras exposições individuais e coletivas em diversos países, foi ainda jurado em duas edições do prestigioso World Press Photo, em Amsterdã – o principal prêmio da fotografia do mundo – e também publicou alguns livros. Um deles, Pantanal, na Linha-d´Água, sob o selo da National Geographic, resultado de dois anos de viagens ao Pantanal, sendo que uma das imagens desse trabalho recebeu o primeiro prêmio em uma das categorias do conceituado Wildlife Photographer of the Year de 2012. E não para por aí, ele também pertence ao seleto coletivo “the photo society”, que reúne exclusivamente os fotógrafos da edição americana da National Geographic e, em março de 2018, estreará um filme sobre seu trabalho no National Geographic Chanel.

Todo esse conhecimento e experiência ele compartilha nas expedições fotográficas que lidera pela OneLapse, atuando como um catalisador e auxiliando os participantes a encontrarem seus próprios caminhos e a refletirem sobre os tipos de imagens que os emocionam e o que desejam registrar. Para isso, segundo o experiente fotógrafo, é importante que cada viajante leve um bom conhecimento do tema que será explorado na viagem, pois esse conhecimento será essencial para aguçar o entusiasmo e a motivação durante as expedições.

Clique aqui e saiba mais sobre o Fotógrafo.

DIA A DIA

LEGENDA

  Café da manhã incluído
  Almoço incluído
  Jantar incluído

DIA 1 | EL CALAFATE

Chegada ao aeroporto de El Calafate. Recepção e traslado ao hotel para check-in. No final do dia, nos reuniremos no lobby do hotel junto ao fotógrafo Luciano Candisani para um briefing completo sobre o dia a dia da expedição. Noite livre com sugestão de jantar em um dos ótimos restaurantes da cidade.

DIA 2 | EL CALAFATE – CERRO CASTILLO

Pela manhã, seguiremos de carro por cerca de 4 horas até a pequena cidade de Cerro Castillo, do lado chileno da fronteira com a Argentina e próxima da entrada do parque Torres del Paine. Esta será a nossa base pelos próximos dias em busca dos melhores registros de vida selvagem e paisagens da região. Restante do dia livre para os últimos preparativos. Pernoite.

DIAS 3 a 7 | CERRO CASTILLO – TORRES DEL PAINE

Dias dedicados a busca pelos Pumas e toda a rica vida selvagem da Patagônia. Acordaremos sempre bem cedo, antes do nascer do sol. Como estaremos quase no inverno, o sol nasce tarde, nos proporcionando mais tempo de sono.

Enquanto tomamos o café da manhã, nossos guias naturalistas já estarão em campo com o objetivo de localizar os animais. Na sequência, partiremos ao encontro deles, aproveitando o período de maior atividade dos felinos, que é logo no início do dia. Os fotógrafos, junto com os guias locais, tomarão as decisões sobre explorar e fotografar o restante da vida selvagem ou as paisagens do parque nacional, sempre de acordo com as oportunidades proporcionadas pelo clima, pois nesta região da Patagônia as mudanças meteorológicas são repentinas.

Buscaremos os melhores pontos e oportunidades de aproximação, para que seja possível o registro dos animais dentro do incrível cenário de Torres del Paine, bem como as áreas particulares adjacentes. A luz nesta época do ano é baixa e muito bonita durante todo o dia, o que usualmente nos proporciona uma grande vantagem para a produção de excelentes imagens. Há também a chance de neve, oferecendo mais um componente ideal para a nossa fotografia.

Com a aproximação do pôr do sol, a atividade dos Pumas se intensifica novamente. Assim, concentraremos nossa atenção novamente nestes belos animais até a última luz, quando retornaremos ao hotel para descanso. Em alguns momentos, os fotógrafos ficarão a disposição para comentar o material produzido até então, com dicas importantes para o melhor aproveitamento na viagem.

DIA 8 | CARRO CASTILLO – EL CALAFATE

Após o café da manhã, pegaremos estrada de volta a cidade de El Calafate, na Argentina. Chegada, check-in e restante do dia livre para atividades individuais .

DIA 9 | EL CALAFATE – EMBARQUE

Dia livre. De acordo com o horário do voo, traslado ao aeroporto de El Calafate, de onde nos despediremos com boas lembranças da rica fauna e das belíssimas paisagens da Patagônia!

FIM DOS SERVIÇOS

GALERIA DE FOTOS

Fotos: Cristiano Xavier. Todos os Direitos Reservados.

MAIS INFORMAÇÕES

   HOSPEDAGEM

EL CALAFATE: Hotel Patagonia Queen
CERRO CASTILLO: Hotel El Ovejero

INCLUI

  • 8 noites de hospedagem com café da manhã;
  • Traslados de chegada e saída privativos ao grupo nos horários de voos sugeridos na confirmação da saída;
  • Transporte e saídas privativas ao grupo para todas as locações mencionadas no roteiro;
  • Entradas para todas as locações selecionadas;
  • Acompanhamento do fotógrafo Luciano Candisani durante todas as saídas, com instruções na parte fotográfica;
  • Acompanhamento de coordenador operacional da OneLapse;
  • Acompanhamento de guia naturalista local durante as saídas em busca dos pumas;
  • Entrada para o Parque Nacional Torres del Paine;
  • Seguro viagem April – Plano Europa Max.

NÃO INCLUI

  • Passagens aéreas e taxas de embarque;
  • Traslados de chegada e saída fora dos horários selecionados ao grupo;
  • Early check-in e Late check-out;
  • Equipamento de fotografia;
  • Bebidas e refeições não mencionadas no roteiro;
  • Despesas pessoais e gorjetas.

OBSERVAÇÕES PARA A VIAGEM

  • Esta viagem é destinada a todos os entusiastas da fotografia, de iniciantes a profissionais, não havendo pré-requisito para inscrição, como nível de conhecimento ou equipamento fotográfico. As orientações dos fotógrafos serão feitas de acordo com o objetivo de cada participante;
  • Os preços estão em dólares americanos (US$) e por pessoa. A conversão para o Real levará em consideração o câmbio turismo no dia do pagamento, conforme cotação do Valor Econômico;
  • A ordem do roteiro pode ser alterada após o início da viagem, devido às condições climáticas e/ou caso os fotógrafos responsáveis considerem necessário.

 EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS

  • Câmera fotográfica
  • Cartões de memória
  • Lentes de 17mm a 400mm
  • Tripé
  • Cabo disparador

* Em caso de dúvidas, clique aqui e veja nosso FAQ.

QUER SE INSCREVER OU TEM DÚVIDAS?

PARTE TERRESTRE – VALORES POR PESSOA

POR PESSOA EM ACOMODAÇÃO DUPLA:

US$ 4.490,00*

SUPLEMENTO VOLUNTÁRIO PARA QUARTO INDIVIDUAL: US$ 700,00

DESCONTO AOS 4 PRIMEIROS INSCRITOS: R$ 700,00

DEPÓSITO NO MOMENTO DA INSCRIÇÃO: R$ 2.500,00**

FORMAS DE PAGAMENTO:
  • À vista em depósito/boleto com 5% de desconto
  • 30% de entrada + Saldo em até 4x sem juros no cartão de crédito Visa/Master

 

* Caso o grupo seja fechado e não haja um participante para dividir o quarto duplo, deverá ser pago um suplemento involuntário no valor de US$350,00. Este valor deverá ser pago a vista 72h antes do início dos serviços.

** Esta viagem exige um número mínimo de 7 participantes para que o grupo seja confirmado. No momento da inscrição, deverá ser pago um sinal como garantia de inscrição no valor de R$2.500,00 por pessoa, sendo que este sinal não é reembolsável em caso de desistência da viagem e não pode ser utilizado como crédito para outro destino. A confirmação ou não da saída será feita no dia 15/03/2019 ou antes, caso já tenhamos atingido o número mínimo de participantes. Confirmando o grupo, o valor será abatido da entrada e caso o mesmo não seja confirmado, o valor será integralmente devolvido.

Voos Internacionais

Embarque no dia 20 de abril com destino a El Calafate e conexão em Buenos Aires. Embarque de retorno ao Brasil a partir de El Calafate no dia 28 de abril. Consulte-nos para cotação e reserva das passagens aéreas.