Namíbia | Inóspitas paisagens africanas

30 AGO - 08 SET 2020


INSCRIÇÕES ABERTAS

UMA IMERSÃO FOTOGRÁFICA PELO QUE HÁ DE MELHOR NA NAMÍBIA

Troncos secos retorcidos com 900 anos de idade brotam do chão esbranquiçado por sal e contrastam com as dunas alaranjadas pelo nascer do sol. Já à noite, se impõem como sentinelas do deserto sob o céu estrelado. Árvores bizarras cujas folhas fazem lembrar raízes. Um povoado fantasma onde prefeitura, hospital, escola e casebres abandonados foram invadidos por metros de areia das tempestades do deserto. Cenas ímpares que poderiam estar em pinturas surrealistas de Salvador Dalí, mas que são cenários reais da Namíbia, um dos países menos povoados e isolados da África.

 

Para verdadeiros exploradores

A nova edição da expedição fotográfica da OneLapse a esta sucessão de paisagens que só existe ali costuma arrebatar viajantes apaixonados pela natureza selvagem, aventureiros que não temem vastidões sem viv’alma e leitores de Amyr Klink que vibraram com seus relatos ao partir de Luderitz, na Costa dos Esqueletos, rumo à travessia do Oceano Atlântico a remo, provavelmente a maior epopeia solitária recente de um explorador brasileiro.

 

Em busca do belo

É preciso espírito desbravador para esta empreitada. Pouco depois do pouso na capital Windhoek, o grupo embarca em um caminhão adaptado para cruzar a imensidão nacional por dias em busca das mais incríveis experiências visuais. A vastidão vazia impera. Poucas cidades servem de pouso. No horizonte, surgem volta e meia os intrigantes fairy circles, infinidade misteriosa de círculos de gramíneas baixas onde não cresce mato algum – e chamadas de pegadas dos deuses pela etnia himba local.

 

Árvores que parecem miragens

Em Keetmanshoop, a sequência de aparentes miragens ganha a forma de árvores intrigantes na Floresta de Quivers, monumento natural nacional com árvores locais cujas folhas parecem raízes. “A aparência primitiva daquele cenário sem igual é fantástica para brincarmos com seus contornos em fotografias na luz tênue do crepúsculo, noturnas sob as estrelas e também no amanhecer do dia”, conta o fotógrafo Cristiano Xavier, fascinado pela Namíbia e líder dessa expedição. Com sorte, dá para flagrar até suricatos e guepardos na região.

 

Cidade-fantasma sob o areal

A próxima parada é Luderitz, aquela afamada graças a Amyr Klink, que em 1984 teve a ousadia de remar em solitário dali até o litoral da Bahia, tema de seu livro Cem Dias Entre Céu e Mar. Logo ao lado, a magia parece predominar na abandonada vila vizinha de Kolmanskop, nascida em 1908 para abrigar os mineradores durante o auge da extração de diamantes da Namíbia, e que foi engolida sem clemência por vendavais vorazes. Só a fotografia para registrar o abandono de cada casa cheia de areia e história dessa cidade-fantasma.

 

Templo para contemplação 

Mas é Deadvlei, o pedaço mais cênico do Vale de Sossusvlei, que eleva à máxima potência a sensação de que a Namíbia podia estar em outra galáxia. A caminhada pelas dunas mais altas do planeta – são 300 metros de areia pura – começa ainda de noite, uma vez que a OneLapse tem autorização para entrar antes dos turistas convencionais neste trecho do Deserto de Namibe. Quando os primeiros raios de sol começam a alaranjar os areais repletos de minério de ferro, ninguém mais conversa. Com as árvores secas como modelos, o caldeirão de sal se torna um templo de contrastes, beleza e pura contemplação.

Clique aqui e confira a Galeria completa de fotos

CONFIRA OS VALORES E CONDIÇÕES

Cristiano Xavier

Fine Nature Photography

É fotógrafo há 20 anos. Em 2003 muda-se para os EUA onde busca referências e bebe na fonte de Ansel Adams, Art Wolfe e Galen Rowell. Desenvolve e se destaca pela ampla pesquisa em fotografia noturna e light painting usando a tecnologia digital e analógica, onde tem como objeto principal as árvores. Viaja para diversos países na busca de espécimes isolados e raros. “Meu desejo, ao mostrar algo que pouco se vê, é sensibilizar as pessoas para esta beleza”.

Premiado no Brasil e no exterior, com destaque para o primeiro lugar no concurso mundial International Landscape Photographer of the Year 2017 – Abstract Aerial Award e a melhor colocação de um brasileiro no Epson Pano Awards 2017 – Nature/Landscape. Participou de nove exposições individuais e duas coletivas com destaque para a mostraThe Low Light Trees – 2012, A Luz do Silêncio – 2012 e Visões da Alma – 2014.

Em 2018, lançou seu primeiro livro, MAGNA, pela Vento Leste editora, uma coletânea de imagens da natureza em seu estado mais puro. O livro ganha no mesmo ano o primeiro lugar na categoria livro de arte, no Prêmio Fernando Pini, o mais conceituado em excelência gráfica da América Latina.

 “Na natureza, a arte está na contemplação. Momento silencioso em que não há separação entre minha alma e a da própria Terra. Estamos em conexão absoluta. A imagem me é oferecida como um presente, assim eu sinto, tal qual uma recompensa.”

A partir de 2013, como um dos sócios fundadores da OneLapse, também passou a viajar ao redor do mundo liderando grupos de entusiastas da fotografia. Para ele, estas viagens são oportunidades únicas para a interação de vários olhares ao mesmo tempo e para que haja uma intensa e rica troca de experiências entre os participantes. Afinal, todos estão juntos respirando fotografia 24 horas por dia.

Segundo Xavier, estas viagens são essenciais para quem deseja fazer uma imersão na arte de fotografar. Para isso, basta estar aberto a novas experiências e entrar no clima da expedição. Tudo isso, segundo ele, é fundamental para que os resultados das fotos sejam cada vez melhores, como mostra suas imagens captadas em vários destinos, como Mongólia, Ilhas Lofoten, Irã, Namíbia, Yukon , Butão, Dolomitas, Patagônia, Indonésia, Cuba e a caça aos tornados nos EUA.

Clique aqui e saiba mais sobre o Fotógrafo.

DIA A DIA

LEGENDA

  Café da manhã incluído
  Almoço incluído
  Jantar incluído

DIA 1 | WINDHOEK

Chegada ao aeroporto internacional de Windhoek. Recepção e traslado ao hotel para check-in. À noite, nos encontraremos com o fotógrafo Cristiano Xavier para uma explicação detalhada sobre o dia a dia da viagem. Pernoite.

DIA 2 | WINDHOEK – KEETMANSHOOP

Após o café da manhã, saída com destino a cidade de Keetmanshoop, considerada a capital e centro econômico do sul do país. Será uma longa viagem pelo deserto e com isso teremos a real noção do isolamento desta área. No caminho, faremos uma parada para almoço ao estilo picnic. Chegaremos ao nosso destino já no final da tarde e teremos a oportunidade de fotografar a peculiar floresta de Quiver Trees com a luz do fim do dia. Estas espécies vegetais não são consideradas árvores, mas uma espécie do gênero Aloe encontrada somente na Namíbia e norte da Africa do Sul. Só se tem notícia de duas aglomerações espontâneas destes vegetais no mundo, sendo a outra localizada em Gannabos.

DIA 3 | KEETMANSHOOP

Manhã livre com opção de fotografar a floresta de Quiver Trees durante a primeira luz do dia. Podemos também aproveitar a manhã para fotografar algumas cheetahs da reserva privada e, com sorte, alguns suricatos. Tempo livre até a nossa saída da tarde, quando exploraremos uma região com formações rochosas bem enigmáticas aproveitando o pôr do sol. Estas formações se originaram há 180 milhões de anos na separação dos continentes quando o magma foi forçado entre fendas e a erosão subsequente criou o que se chama hoje de Giant’s Playground, pois a sensação que temos é que uma criatura gigante empilhou as pedras uma a uma. Trata-se de uma excelente área para exercitarmos a composição entre rochas e Quiver Trees, e por ser muito primitiva, as imagens em preto e branco proporcionam um apelo especial. Fotos noturnas estão planejadas dependendo das condições climáticas.

DIA 4 | KEETMANSHOOP – LUDERITZ

Após o café da manhã, viajaremos por algumas horas em direção a cidade litorânea de Luderitz, conhecida por sua arquitetura colonial, incluindo obras no estilo Art Nouveau. Aqui, o clima já é bem mais frio do que no interior por conta da ação da corrente gelada que atinge o litoral do país. Ao redor de Luderitz, vamos conhecer no dia seguinte um pouco da sua história mineradora e como os colonizadores alemães ocuparam a região na busca pelos diamantes.

DIA 5 | LUDERITZ

Nosso dia será dedicado a fotografar a cidade fantasma de Kolmanskop em diferentes situações de luz. O avanço das dunas sobre a cidade desolada e árida, construída em meados de 1908 na corrida pelos diamantes, nos proporciona cenários como um hospital, uma escola, casas e prédios administrativos abandonados e engolidos pela areia, guardando resquícios da arquitetura alemã original. Será uma bela oportunidade para exercitarmos a nossa criatividade e o olhar. Sairemos bem cedo para aproveitar a cidade durante a primeira luz do dia e voltaremos no meio da tarde para situações diferentes de luz, além de buscarmos novos ângulos em outras partes da cidade. Entre uma visita e outra poderemos descansar no hotel bem como caminhar por Luderitz que também possui um ambiente bastante singular com suas construções coloridas e ruas de terra.

DIA 6 | LUDERITZ – SOSSUSVLEI

De Luderitz seguiremos em mais uma longa jornada pelo interior da Namíbia até Sossusvlei, uma das portas de entrada do deserto de Namib. O nome Sossusvlei tem uma mistura de origens e significa “Pântano sem fim” ou “Pântano sem saída”. O nome foi dado porque o efêmero Rio Tsauchab desembocava ali e se transformava num local com sistema de drenagem onde a água não saía. Ficaremos hospedados num EcoLodge na encosta de um rochedo com vista para a bela paisagem. É nesta região que buscaremos explorar a luz moldando as maiores dunas do mundo que chegam a 300 metros de altura.

DIA 7 | SOSSUSVLEI

O dia será dedicado a fotografar as enormes dunas do Parque Nacional Nammib-Naukluft em diferentes momentos, como o nascer e o pôr do sol. O incrível cenário proporciona interessantes contrastes aproveitando os tons avermelhados e sombras. Buscaremos explorar também um pouco da vida selvagem combinada a este cenário espetacular. No intervalo entre as saídas fotográficas, poderemos relaxar na piscina do lodge e analisar o material produzido até então.

DIA 8 | SOSSUSVLEI – DEADVLEI

Hoje iremos fotografar o Deadvlei, um dos locais mais emblemáticos de toda a região. Considerada uma “bacia de argila branca”, o Deadvlei é famoso por seu solo de argila, formado após uma grande precipitação, quando o rio Tsauchab inundou formando rasas e temporárias piscinas, onde a abundância de água permitiu que uma espécie de acácias (Acacia erioloba) se desenvolvesse. Porém, a ocorrência de algumas mudanças climáticas fez com que dunas de areia invadissem a área junto ao rio, impedindo que este chegasse à região. Isto, portanto, ocasionou uma grande aridez e transformou o local no que é hoje: uma locação icônica e um verdadeiro paraíso para os entusiastas da fotografia. Nossa ideia é explorar a região nos momentos mais adequados de luz (nascer do sol, por do sol e a noite), quando praticamente não há a presença de outros turistas. Vamos exercitar inúmeras possibilidades de composição com diferentes distâncias focais.

DIA 9 | SOSSUSVLEI – SWAKOPMUND

Pela manhã, bem cedo, há a possibilidade de um voo de balão (opcional e não incluído) sobre as dunas, onde será possível observar as formações geológicas e até um pouco de vida selvagem, finalizando com um belo café da manhã e brinde com champanhe. De Sossusvlei, viajaremos até a charmosa Swakopmund, a segunda maior cidade do país, principal balneário da Namíbia e um dos mais bem preservados exemplos da arquitetura colonial alemã no mundo. Várias lojas exibem antiguidades, objetos típicos e o belo artesanato local para todos os gostos e bolsos. À noite, poderemos desfrutar de um dos excelentes restaurantes na região do cais.

DIA 10 | SWAKOPMUND – EMBARQUE

Pela manhã, visitaremos uma colônia de flamingos na região de Walvis Bay, numa ótima chance para exercitarmos a fotografia de movimento e as técnicas de panning. Em seguida, transporte direto ao aeroporto de Walvis Bay para embarque, de onde nos despediremos com ótimas recordações.

FIM DOS SERVIÇOS

GALERIA DE FOTOS

Fotos: Cristiano Xavier. Todos os direitos reservados.

MAIS INFORMAÇÕES

   HOSPEDAGEM

WINDHOEK: Hilton Windhoek
KEETMANSHOOP: Quivertree Forest Camp
LUDERITZ: Luderitz Nest ou similar
SOSSUSVLEI: Sossus Dune Lodge
SWAKOPMUND: Strand Hotel

INCLUI

  • 9 noites de hospedagem com café da manhã
  • Almoço e jantar quando mencionados no roteiro
  • Traslados entre aeroporto e hotel privativos ao grupo nos horários de voo selecionados no momento da confirmação da saída
  • Transporte privativo ao grupo durante todo o roteiro em veículo adaptado para o deserto
  • Entradas para todos os locais visitados de acordo com o roteiro
  • Acompanhamento do fotógrafo Cristiano Xavier e instruções de fotografia de acordo com o objetivo de cada participante
  • Seguro viagem April – Max 60 Mundo

NÃO INCLUI

  • Passagens aéreas internacionais e taxas de embarque
  • Traslados de chegada e saída em horários diferentes dos selecionados
  • Visto de entrada na Namíbia (cerca de USD50,00)
  • Early check-in e Late check-out
  • Equipamento de fotografia
  • Passeios descritos como opcionais
  • Bebidas e refeições não mencionadas no roteiro
  • Despesas pessoais e gorjetas

OBSERVAÇÕES

  • Para esta viagem brasileiros necessitam de passaporte com validade mínima de seis meses a partir da chegada a Namíbia, certificado internacional de vacinação contra febre amarela e emissão de visto na imigração em Windhoek (cerca de USD50,00);
  • Esta viagem é destinada a todos os entusiastas da fotografia, de iniciantes a profissionais, não havendo pré-requisito como nível de conhecimento ou equipamento fotográfico. As orientações do fotógrafo serão feitas de acordo com o objetivo de cada participante;
  • Os preços estão em dólares americanos (US$) e por pessoa. A conversão para o Real levará em consideração o câmbio turismo do Valor Econômico no dia da confirmação da saída ou da inscrição, caso o grupo já esteja confirmado;
  • A ordem das atividades pode ser alterada de acordo com as condições climáticas, recomendações do fotógrafo responsável ou motivos de força maior.

EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS

  • Câmera fotográfica
  • Cartões de memória
  • Lentes de 17mm a 400mm
  • Tripé
  • Cabo disparador

* Em caso de dúvidas, clique aqui e veja nosso FAQ.

QUER SE INSCREVER OU TEM DÚVIDAS?

PARTE TERRESTRE – VALORES POR PESSOA

POR PESSOA EM ACOMODAÇÃO DUPLA:

US$ 4.590,00*

SUPLEMENTO VOLUNTÁRIO PARA QUARTO INDIVIDUAL US$ 650,00

SINAL EM DEPÓSITO NO MOMENTO DA INSCRIÇÃO: R$ 2.500,00

DESCONTO AOS 6 (SEIS) PRIMEIROS INSCRITOS: R$ 700,00

FORMAS DE PAGAMENTO
  • À vista em depósito com 5% de desconto
  • 30% de entrada em depósito + saldo em até 4x sem juros no Visa/MasterCard

* Caso o grupo seja fechado sem cia para dividir a acomodação, será cobrado um suplemento involuntário no valor US$325,00 72h antes do embarque.

** Esta viagem exige um número mínimo de 10 participantes para que o grupo seja confirmado. O sinal é uma garantia de inscrição e não é reembolsável, em caso de desistência da viagem, bem como não é válido para troca de destino. A confirmação, ou não, da saída será feita em 30/06/2020, ou antes, caso já tenhamos atingido o número mínimo de participantes (a saída normalmente é confirmada bem antes do prazo). Confirmando o grupo, o valor do sinal será abatido da entrada e caso o mesmo não seja confirmado, o valor será integralmente devolvido.

VOO INTERNACIONAIS

Chegada a Windhoek no dia 19 de outubro em qualquer horário com check-in a partir das 14h. Embarque de retorno no dia 29 de outubro em horário a ser sugerido na confirmação da saída do grupo (consulte-nos para a emissão das passagens aéreas).