A experiência única de encontro com os gorilas das montanhas, além da rica fauna e paisagens no Rio Nilo.

Ele desceu da árvore alta com estardalhaço. No trajeto, largava seu corpo negro de duzentos quilos de um galho a outro em pequenas quedas controladas e barulhentas. Os ramos mais finos partiam sob suas pisadas vigorosas em estalos capazes de abafar por instantes a sinfonia da floresta – o zumbido de miríades de insetos, o canto das aves, o correr da água sobre as pedras do riacho. A sua movimentação intensa se seguiu uma “chuva” de folhas e fragmentos de plantas que ainda caiam lentamente sobre nossas cabeças, minutos depois que o animal colossal chegou ao pé da árvore, onde se recostou. Estava a uns sete metros a minha frente. Até aquele momento, não imaginava que o maior primata do mundo, o gorila-das-montanhas, podia deslocar-se com desenvoltura por árvores tão altas. Era o meu primeiro encontro com um costas prateadas – como são chamados os machos dominantes com pelos brancos no dorso a denotar-lhes a idade avançada. Bem maiores e mais fortes, são soberanos de todas as decisões de grupos de até trinta indivíduos. Quando olhou na minha direção, a hierarquia naquela parte das montanhas de Uganda, ficou muito clara. O meu coração batia acelerado. Já era um dos meus encontros mais emocionantes na natureza. E mal tinha começado.

Com a calma de quem já vira aquela cena muitas vezes, Gad kanyangyeyo, guia do serviço de parques de Uganda, o Uganda Wildlife Authority, apenas me lembrou das recomendações que fizera antes do início da caminhada: “permaneça parado e não olhe diretamente nos olhos dele”, isso pode ser entendido pelo animal como um desafio a sua autoridade. Segui a risca a recomendação, olhei para baixo e também virei a câmera fotográfica nessa direção. Com isso ele logo deixou de me fitar e passou a olhar ao redor, aparentemente a procura de algo. Tive a impressão que checava a posição dos demais membros da sua família. Eram quinze e estavam espalhados. Tinham deixado a árvore antes do líder, de forma bem mais discreta. Podia ver alguns deles: a direita, uma fêmea amamentava seu pequeno filhote – filho do costas prateadas, pois apenas ele copula com as fêmeas. Uma outra fêmea dormia, com uma folha de samambaia sobre a cabeça. Perto dela, um jovem, sentado, esticava o braço para arrancar de arbustos as folhas tenras, o alimento preferido da espécie. Os demais membros do grupo, de várias idades e tamanhos estavam perto, mas ocultos na vegetação densa, num ambiente em muito parecido com a Mata Atlântica da Serra do mar. Estávamos cercados por uma mata exuberante repleta de gorilas-das-montanhas.

Depois de olhar ao redor, o costas-prateada se voltou novamente para mim. Prontamente, baixei a câmara e voltei a cabeça ao chão. O observava apenas parcialmente com o canto do olho, o suficiente para ver quando ele começou a andar na minha direção, lentamente. Permaneci no mesmo local, de joelhos, sem mirá-lo nos olhos, mas com a câmera apoiada abaixo do queixo, em boa posição para fotografar. Disparava compulsivamente conforme ele se aproximava. Mal podia acreditar que aquilo estivesse, de fato, acontecendo.

Descobertos em 1902, os Gorilas das Montanhas (Gorilla beringei beringei) estiveram muito perto de desaparecer para sempre da natureza, vítimas da caça, guerras e destruição do Habitat. Atualmente, a espécie é classificada como criticamente ameaçada, com uma população total de menos de mil indivíduos protegidos em quatro parques nacionais , em Ruwanda, Congo e Uganda. O animal que vinha resoluto na minha direção é um dos habitantes protegidos no Parque Nacional das Florestas de Bwindi, em Uganda. É o chefe de um dos 13 grupos locais acostumados à presença de visitantes em seu habitat. Eles continuam selvagens, como qualquer outro animal da floresta. A única diferença é que foram seguidos na mata por pesquisadores e mateiros até se tornarem indiferentes à proximidade do ser humano. Esse procedimento, chamado de habituação, é muito comum em estudos de primatas e tem sido amplamente usado como ferramenta para o turismo de observação de fauna, uma fonte fundamental de financiamento de programas de conservação da biodiversidade.

Quando o grande costas prateadas estava a menos de um metro de mim, entendi não pararia por minha causa. Simplesmente queria fazer aquela rota, passar por ali. Já não dava mais para fotografar, a distância era muito curta para o foco. Apenas continuei parado. Observava como podia, sem olhar diretamente nos olhos dele. Ao passar a poucos centímetros de mim, pude sentir no braço esquerdo os pelos dele. Jamais estivera tão perto de uma criatura de grande na natureza. Mas estranhamente não senti medo, parecia que tudo estava em seu devido lugar e a minha presença ali em nada alterava o humor daqueles animais. Além disso, via na reação tranquila do Gad que aquela era uma situação corriqueira para ele, cuja atividade de guia envolve caminhadas diárias ao lado dos Gorilas.

Logo após a passagem do chefe da família, reparei na movimentação dos outros gorilas ao redor. Eles paravam suas suas respectivas atividades para seguir os passos do líder. A Fêmea com o pequeno filhote nas costas foi a última a passar por mim, apressada, parecia preocupada em perder contato visual com os demais já ocultos na mata.

Na hora seguinte, seguimos o deslocamento daqueles gorilas pela floresta. As paisagens e a luz iam mudando, assim como o comportamento dos animais. Comiam, brincavam, brigavam, namoravam, cuidavam dos filhos. Faziam o que queriam fazer, diante dos meus olhos, como se fôssemos invisíveis. Experiência inesquecível.

Luciano Candisani

Clique aqui e confira a Galeria completa de fotos

CONFIRA OS VALORES E CONDIÇÕES

Luciano Candisani

National Geographic

Dedicado a contar histórias da natureza há 18 anos, o fotógrafo brasileiro Luciano Candisani é reconhecido pelo estilo peculiar de trazer a informação documental em composições de forte poder estético. A ligação espécie-ambiente nos grandes espaços naturais do planeta está no cerne de sua busca criativa, aparecendo fortemente ao longo de toda a sua obra.

Candisani produz reportagens fotográficas  sobre biodiversidade, conservação e populações tradicionais para importantes publicações no mundo, notadamente a edição principal da  National Geographic. Seus trabalhos para essa revista centenária receberam prêmios internacionais importantes, como o prestigioso Wildlife photographer of the year, de 2012. E pela edição brasileira de National Geographic, com a qual colabora desde 2000, o fotógrafo publicou dezenas de matérias, 6 delas reconhecidas pelo prêmio Abril de Jornalismo. O fotógrafo também acaba de ser reconhecido com o prêmio da revista “Viagem e Turismo 2017/2018”  na categoria Melhor fotógrafo de viagem.

Suas pautas  o levaram a alguns dos lugares mais remotos do mundo, tais como a Antártica, Patagônia, Amazônia, Atol das Rocas, Ilhas Darwin e Wolf , Ilhas Malvinas e Filipinas. Em 1998, passou 7 meses a bordo do veleiro Aysoo, em expedição pela Patagônia e Terra do Fogo. Essas andanças resultaram em uma produção que inclui 7 livros fotográficos, centenas de matérias, exposições, workshops, palestras, textos e entrevistas no Brasil e exterior. É membro da ” Liga Internacional dos fotógrafo de Conservação -ILCP, com sede em Washington, USA. Seu trabalho é representado pela National Geographic Creative e Minden Pictures.

Desde 2015, Luciano Candisani integra o seleto grupo de fotógrafos da OneLapse ministrando os workshops de fotografia com foco em vida selvagem.

Entrevistas na TV:
Programa Almanaque (Globo News)
Fantástico (Rede Globo)

Entrevistas e Portfólios:
National Geographic Brasil
Planeta Sustentável

Outros links:
Photo Society (site reune os fotógrafos da edição principal da National Geographic)
International League of Conservation Photographers
The Comeback Croc National Geographic
World Press Photo

Clique aqui e saiba mais sobre o Fotógrafo.

DIA A DIA

LEGENDA

  Café da manhã incluído
  Almoço incluído
  Jantar incluído

DIA 1 | ENTEBBE

Chegada ao aeroporto internacional de Entebbe. Recepção e traslado por cerca de 45 minutos até o hotel. A noite, encontraremos com o fotógrafo Luciano Candisani para um briefing detalhado sobre a viagem. Uganda é um país que surpreendeu já seus primeiros exploradores. Eles ficaram espantados com a beleza, as maravilhas naturais e o povo local. seu povo. Winston Churchill visitou o país e escreveu um livro em 1908 chamando Uganda de “Pérola da África”. A nação é conhecida pelo safári de aventura e uma das principais atrações está ligada ao contato com gorilas e chimpanzés nas florestas de difícil acesso. Na lista de belezas naturais estão ainda vales, florestas, montanhas, lagos, rios e cachoeiras que compõem cenários verdejantes de tirar o fôlego.

DIA 2 | ENTEBBE – PARQUE NACIONAL MURCHISON

Hoje viajaremos durante o dia em direção ao Parque Nacional Murchison, famoso pela sua biodiversidade, incluindo mais de 70 tipos de mamíferos e 450 diferentes espécies de pássaros. O Rio Nilo, que corta a região, atrai diversos animais, como crocodilos, hipopótamos, búfalos, elefantes, leopardos, leões, entre outros. No caminho, visitaremos o Santuário de Rinocerontes Ziwa, onde teremos a oportunidade de fotografar estes raros animais. Seguiremos viagem com o objetivo de fotografar no final do dia as lindas e famosas cachoeiras do parque nacional, caso as condições permitam.

DIA 3 | PARQUE NACIONAL MURCHISON

Hoje o dia será dedicado a explorarmos a região de barco e/ou carro, em busca de landscapes e vida selvagem, incluindo espécies como a ave bico-de-tamanco (shoebill), encontrada apenas nessa região da África, entre outras. Retorno ao lodge no final do dia e pernoite.

DIA 4 | PARQUE NACIONAL MURCHISON

Sairemos bem cedo para aproveitarmos ao máximo o nosso safári matutino. Vamos explorar a região do Lago Albert e o Rio Nilo com toda sua variedade de animais. Girafas, búfalos, leões, elefantes, crocodilos e hipopótamos são algumas das possibilidades que tentaremos documentar. A parte da tarde poderá ser dedicada a fotografar as fantásticas cachoeiras do parque a partir do nosso barco. Retorno ao lodge para pernoite.

DIA 5 | PARQUE NACIONAL MURCHISON – BWINDI

Seguiremos pela manhã ao aeroporto para embarque com destino ao Parque Nacional Bwindi, Patrimônio Mundial da UNESCO e uma das regiões mais ricas em biodiversidade do planeta. Sua floresta se estende por 331 km² na divisa com Ruanda. O principal tesouro do parque e motivo pelo qual viremos até aqui são os cerca de 350 gorilas que vivem em suas montanhas, sendo responsáveis por 50% da população mundial da espécie. Na parte da tarde, quando já estivermos bem acomodados no nosso novo lodge, faremos uma caminhada pelo vilarejo próximo para conhecer melhor a comunidade que vive nos arredores do parque, podendo inclusive encontrar os pigmeus da etnia Batwa, uma das mais antigas tribos desta floresta. Retorno ao lodge e noite livre.

DIA 6 | PARQUE NACIONAL BWINDI – GORILA TREKKING

Hoje tomaremos um café da manhã reforçado para o nosso primeiro dia de trekking pela floresta impenetrável em busca das famílias de gorilas que habitam a região. Antes, encontraremos nosso guia local para um briefing com recomendações detalhadas para um melhor aproveitamento desta atividade. O trekking pode levar de meia hora até 7 horas, dependendo da localização da família de gorilas. Ao encontrarmos os enormes e gentis animais, ficaremos 1 hora junto a eles buscando as melhores oportunidades fotográficas possíveis. Uma experiência única e inesquecível, sem dúvida alguma. Retorno ao lodge e restante do dia livre para descanso (dependendo da duração do trekking, teremos tempo junto ao fotógrafo para comentarmos as fotos produzidas até o momento, bem como alguns ajustes para o dia seguinte). Pernoite.

DIA 7 | PARQUE NACIONAL BWINDI – GORILA TREKKING

Já mais habituados com a floresta, hoje teremos o nosso segundo encontro com os gorilas, podendo desta vez encontrar uma família diferente. Seguiremos as mesmas regras e orientações do dia anterior. Retorno ao lodge para descanso e pernoite.

DIA 8 | PARQUE NACIONAL BWINDI – ENTEBBE

Pela manhã, sairemos para uma viagem de carro por cerca de 8 horas até Entebbe com parada no caminho para um almoço estilo picnic. Chegada ao hotel em Entebbe, aonde nos reuniremos com o fotógrafo para um comentário final sobre o material produzido. Pernoite.

DIA 9 | ENTEBBE – EMBARQUE

Após o café da manhã, traslado ao aeroporto de Entebbe para embarque com destino ao Brasil.

FIM DOS SERVIÇOS

GALERIA DE FOTOS

Fotos: Luciano Candisano / Shutterstock. Todos os direitos reservados.

MAIS INFORMAÇÕES

   HOSPEDAGEM

ENTEBBE: Lake Victoria Serena Resort
PARQUE NACIONAL MURCHISON: Paraa Safari Lodge
PARQUE NACIONAL BWINDI: Trackers Safari Lodge

INCLUI

  • 08 noites de hospedagem com café da manhã em Entebbe e pensão completa nos demais locais
  • Transporte privativo ao grupo durante toda a viagem
  • Todas as permissões necessárias para realização do roteiro
  • Passagens aéreas entre Murchison e Bwindi com taxas
  • Acompanhamento do fotógrafo Luciano Candisani com instruções para a parte fotográfica durante todas as saídas, além de orientações sobre edição e tratamento de imagem
  • Seguro viagem April – Plano EuropaMax

NÃO INCLUI

  • Passagens aéreas internacionais
  • Visto (cerca de USD50)
  • Excesso de bagagem no voo interno (franquia de 15kg por pessoa)
  • Early check-in e Late check-out
  • Bebidas durante refeições
  • Equipamento de fotografia
  • Despesas pessoais e gorjetas

OBSERVAÇÕES

  • Os preços estão em dólares americanos (US$) e por pessoa. A conversão para o Real levará em consideração o câmbio turismo no dia do pagamento, conforme cotação do Valor Econômico;
  • Para esta viagem, brasileiros precisam de passaporte com validade mínima de 6 meses a partir da entrada no país, certificado internacional de vacinação contra a febre amarela (a vacina deve ser tomada pelo menos 10 dias antes do embarque) e visto previamente emitido (solicitação online);
  • A permissão para o trekking não garante o avistamento dos gorilas. Por se tratar de animais em meio a natureza num ambiente de difícil acesso, há circunstâncias que estão fora do nosso controle. De qualquer forma, o não avistamento dos gorilas é raro na região;
  • Recomendamos um preparo físico razoável para o trekking até os gorilas. A caminhada pode ser curta ou longa, em meio a chuva ou forte calor devido a umidade da floresta. A localização dos animais, bem como condições climáticas extremas, podem inviabilizar o trekking e consequentemente o encontro com os gorilas, sendo que o parque nacional se reserva ao direito de não reembolsar qualquer valor pago previamente por considerar motivos de força maior;
  • O roteiro pode sofrer alterações após o início da viagem, devido às condições climáticas e/ou caso o fotógrafo responsável considere necessário.

 

EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS

  • Câmera fotográfica
  • Cartões de memória
  • Tripé
  • Lentes de 17mm a 400mm
  • Filtro polarizador
  • Cabo disparador

* Em caso de dúvidas, clique aqui e veja nosso FAQ.

QUER SE INSCREVER OU TEM DÚVIDAS?

PARTE TERRESTRE – VALORES POR PESSOA

POR PESSOA EM ACOMODAÇÃO DUPLA:

US$ 7.090,00*

SUPLEMENTO VOLUNTÁRIO PARA ACOMODAÇÃO INDIVIDUAL: US$ 900,00

SINAL EM DEPÓSITO NO MOMENTO DA INSCRIÇÃO: R$ 2.500,00

* Caso o grupo seja fechado e não haja um participante para dividir o quarto duplo, deverá ser pago um suplemento involuntário no valor de US$450,00. Este valor deverá ser pago a vista 72h antes do início dos serviços.

** Para esta viagem há apenas 7 vagas disponíveis e a saída será confirmada somente quando o grupo estiver completo. No momento da inscrição, deverá ser pago um sinal como garantia de inscrição no valor de R$2.500,00 por pessoa, sendo que este sinal não é reembolsável em caso de desistência da viagem e não pode ser utilizado como crédito para outro destino. A confirmação ou não da saída será feita no dia 14/08/2017 ou antes, caso já tenhamos atingido o número necessário de participantes. Confirmando o grupo, o valor será abatido da entrada e caso o mesmo não seja confirmado, o valor será integralmente devolvido.

Voos Internacionais

Chegada a Entebbe no dia 3 de novembro com check-in a partir das 14h. Embarque de retorno no dia 11 de novembro com check-out as 11:00h. Consulte-nos para cotação e emissão das passagens aéreas.